BRASILEIROS NO EXTERIOR

italia – evoca apartheid em cidade no interior da Itália

Posted on: setembro 21, 2009

Ônibus evoca apartheid em cidade no interior da Itália  14/09/2009

A sombra do apartheid, o regime segregacionista que isolou brancos e negros na África do Sul entre 1948 em 1990, paira desde março no sul da Itália. Na cidade de Foggia, a 380 quilômetros de Roma, a prefeitura criou uma linha de ônibus, a 24/1, exclusiva para transportar imigrantes africanos – quase todos negros – até o Centro de Acolhimento de Estrangeiros de Cara, mantido pelo Ministério do Interior. Já os moradores italianos fazem o mesmo trajeto em separado, na linha 24.

A adaptação foi criada pela ATAF, a empresa de transporte público do município e é defendida pelo prefeito Orazio Ciliberti, que justificou a iniciativa ao jornal “La Repubblica” alegando questões de “ordem pública”. Segundo a autoridade, parte dos 154 mil moradores da capital da região de Puglia estaria em atrito com os cerca de 800 imigrantes que residem no centro, situado a 15 quilômetros da cidade. Aos estrangeiros recaem constantes acusações de roubos e crimes. “Não se trata de racismo, mas da possibilidade de criarmos um serviço melhor. Ninguém impede os imigrantes de caminhar dois quilômetros a mais e pegar um outro ônibus até o centro”, disse Ciliberti, político de centro-esquerda.

A prática, contudo, difere do discurso, conforme o jornal O Estado de S. Paulo constatou. No interior dos ônibus para estrangeiros não há brancos. A linha 24/1 – cujo nome original, 24/i, de “imigrantes”, foi substituído após protestos de organizações não-governamentais (ONGs) – faz o mesmo trajeto que a linha 24, entre o centro e o distrito de Borgo Mezzanone. No fim, há apenas uma extensão de dois quilômetros, que liga o distrito ao Centro de Acolhimento de Estrangeiros de Cara, apelidado, por ironia, de “campo”. Nos veículos identificados com o número 24/1, os imigrantes não pagam passagem, enquanto pagariam nos ônibus para brancos. Além disso, ele não faz paradas no caminho, seguindo diretamente para o centro, o que impede moradores locais de utilizar o serviço.

Entre os imigrantes, que dependem do parecer do governo para serem aceitos na Europa, as críticas ao ônibus são raras. Em lugar de protestos, há silêncio ou elogios à amabilidade dos seguranças do centro de acolhimento. O presidente da Associação de Comunidades Estrangeiras (Asci), Habib Ben Sghaier, protesta contra a iniciativa da prefeitura, que criou a linha. “Não é assim que se faz integração. Isso é racismo.”

Discriminação

Os imigrantes mais rejeitados da Itália não são, paradoxalmente, clandestinos. Os ciganos e romenos – a maior parte com passaporte europeu e autorização para viver em qualquer país-membro da União Europeia desde 2007 – são o alvo central da indignação dos italianos, que os associam a assassinatos, tráfico de drogas e prostituição em grandes cidades do país, como Turim e Nápoles. A insatisfação com seus vizinhos do Leste é tamanha que há dois anos uma lei autoriza repatriar cidadãos europeus “por razões de segurança pública”.

Tags:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog Stats

  • 49,398 hits

Achar Produtos Brasileiros no Exterior

Link pra Achar Produtos Brasileiros no Exterior

mais acessados

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 16 outros seguidores

setembro 2009
S T Q Q S S D
« ago   nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Flickr

Mais fotos
%d blogueiros gostam disto: